domingo, 29 de maio de 2011

Tombo, queda, trabolhão, caída, re-caída

Recaída. O nome já diz: Cair de novo.
Você já caiu e doeu. Aí você se esborracha no chão novamente.
Minha vó diria que "você magoou a ferida, menina!".
Então tá vó. Eu magoei a mim mesma. E eu sabia que isso iria acontecer.

Classe gramatical de tombo: Substantivo masculino

Maldita hora que eu inventei de alimentar uma conversa com meu ex. E o pior: o ex que eu amei. O ex que ainda mexe comigo. O ex que deixou seu cheiro, ainda fresquinho, no meu pescoço. O ex que faz um sexo que...ai ai. Maldito ex.
E a noite foi maravilhosa. Jantar com direito a vinho-tinto-meio-seco (o que ele sabe que eu gosto), carinho na mão, sorrisos...
E ele pergunta: como anda sua família? Seu gato? Seus estudos? Seu trabalho? Seus sonhos? Como anda você?
Fudida. Essa é a resposta que vem no dia seguinte.
Ele terminou contigo, mas você ainda gosta dele.
Ele se mostra interessado em saber da sua vida, e você se ilude por um momento achando que voltou a ser interessante pra ele novamente. Mas no dia seguinte não há telefonema. Não há mensagem. Não há nada. Só um vazio dentro de você.
Há algumas horas você ouvia a sua respiração ofegante, bem de perto.
Agora não ouve nada.
E agora?

Minha melhor amiga diria: Eu te disse! Ele só quer aproveitar a melhor parte de você, o que é mais interessante pra ele. Quer saber como você está, se você quase se suicidou com o término...
Mas... 
E...
E só.

É difícil resistir à recaída. Já me vi resistindo várias vezes, mas também levei vários tombos.
Tombos que doem mais do que o próprio momento do término.
Tombos que dão vontade de permanecer no chão, pensando, lembrando...
Nessas horas minhas queridas amigas me dão uma mãozinha e me ajudam a levantar.
Ah se não fossem elas...
O tombo poderia deixar uma ferida permanente. Talvez um câncer!
Mas nada que umas garradas de champagne não resolvam...

Reflexão barata:
Há vida após um tombo?

domingo, 22 de maio de 2011

Coisas de canto

Jogar coisas no canto e fingir que elas não existem.
De vez enquando acessar, pra lembrar de algumas coisas.
Pra sofrer, pra ter nostalgia, pra tentar de novo, e de novo.
Pra perceber que a gente aprende com o sofrimento.
Pra perceber que o fim é preciso.

Processo de final de namoro é foda.
Tem gente que some no fundo do poço, e depois volta à superfície, um pouco melhor.
Tem gente que não some, que quer saber de tudo sobre o ex, que quer sentir raiva pra ajudar a esquecer.
Tem gente que tem recaída.
Tem gente que acessa a agenda e camufla a dor com outra pessoa.
Sei lá. 
Eu prefiro sumir. Pelo menos eu tento.
A vida da pessoa não tem que me interessar mais. Pelo menos eu tento.
De vez enquando, dar uma espiadinha não faz mal a ninguém... Pelo menos eu tento não sofrer.
Saber que ele está com outra é terrível.
Saber que ele está bem, é terrível.
Terrível!

P.S. - Estou considerando as pessoas que foram "rejeitadas". Pra quem termina, é mais fácil ficar por cima da carne seca, né?

E o mais punk é encontrar essa pessoa uns 3 meses depois do término, e se perguntar: Eu conheço você?
Fique tanto tempo dividindo a vida com alguém que agora eu desconheço...

Também  já ou vi coisa do tipo: Não me interesso mais por você, mas queria que não sumisse da minha vida...
Ai ai...

Eu sumo sim.
Preciso me recompôr!
Com licença.

Reflexões baratas:
É possível apagar completamente uma pessoa, que um dia foi seu amor?
É possível transformar uma relação de paixão, em amizade?
É necessário acessar o cantinho?

domingo, 15 de maio de 2011

E se... é pior que lepra...

"E SE... é pior que lepra", já dizia minha irmã.



E se eu tivesse feito...
E se eu tivesse voltado atrás...
E se eu tivesse levado à diante aquele relacionamento?
E se...?

Vai gata! 
Vai viver sua vida antes que o arrependimento de não ter feito o que você queria, venha! 
Faz, e se tiver que se arrepender, se arrependa depois!


Cuidado, cautela, prevenção, são coisas que devem nos acompanhar sempre. Mas se você não for morrer, se não for comprometer o seu trabalho, se não acabar com sua reputação... Vá! Faça!


E se você correr o risco de morrer, de ficar sem trabalho e sem moral, mas está afim... Vá também!

Agora aguenta as consequências, viu?
Tudo tem seu preço.
Fazer ou não fazer!


Reflexão barata:
E se eu...?

O ideal e a contradição

Fico a observar os tipos de homens que apareceram na minha vida: músico, artista, advogado, produtor... 
E também fico pensando sobre o homem que eu considero ideal para ter um relacionamento fixo, e quem sabe um futuro "morar junto" : Quero um cara que goste das coisas que eu gosto, que cuide do corpo e da alimentação, que seja inteligente, que trabalhe e ganhe uma grana legal, que goste de viajar... etc ...
E aí aparecem umas figuras que mexem comigo, que são totalmente o contrário do que eu sempre sonhei:
"Oh mina, eu adoro hip hop, adoro sair pra tomar umas brejas, gosto de passar o fim de semana inteiro deitado no sofá assistindo jogo... Pega ali um rango pra gente...Vem cá me dar uma beijoca, vem meu amor!"

Aí quando o ideal se cruza com a contradição, acontece o quê além de um puta engarrafamento no meu coração?

Será que o cara que eu sempre idealizei é só "o cara que eu idealizei"?

Ele gosta tanto das coisas que eu gosto, que não tem muito o que me acrescentar. É tão certinho que não tem nada para eu duvidar. Faz tudo o que eu quero, e eu nunca questiono para onde vamos no sábado a noite - ele sempre vai aonde eu quero ir.

Acho que o que me move é a novidade. A troca da novidade. É saber que ele vai me ensinar coisas que eu não sei, que vai me levar a lugares que nunca fui, que vai me desafiar a experimentar algo que sempre tive medo de tentar. Claro que também quero que goste do que eu gosto, mas aí os papéis se invertem: eu viro a professora, com o maior prazer!

Não quero moldar homem nenhum ao meu life style.
Não quero mudar ninguém. 
Só quero me movimentar pelas surpresas.

Reflexão barata:
Será que o cara que eu sempre idealizei é só "o cara que eu idealizei"?

terça-feira, 10 de maio de 2011

Homem vários corações

Um homem pode ter vários corações. Se apaixonar por várias mulheres ao mesmo tempo. Ele pode mandar uma mensagem curtinha e linda para o seu celular,e pode mandar essa mesma mensagem para outras 3. E é incrível... Isso acontece mesmo. Já sai com um homem desses. Ele tá com você em uma festa, mas "está" com outras também. Ele só beija você, mas olha pra todas as gatas do pedaço e se você vacilar pega o telefone de alguma delas. E como fica o seu envolvimento com um cara desses? E como ele administra tantos corações ao mesmo tempo? Dá pra correr o risco de se envolver com um homem "vários corações"?
É um perigo para o seu coração?
Você gosta de perigo?
O quê?


Reflexão barata:
Um homem "vários corações" pode um dia se tornar um homem "um só coração"?

domingo, 8 de maio de 2011

Mulher - varal

Essa me parece ser uma mania de homens heterosexuais, mas posso estar terrivelmente enganada. Mulheres no Varal. O cara tem uma namorada ou enrolada oficial, mas tem várias outras estendidas no varal. Essas "mulheres-varal" são aquelas amigas coloridas, que são sempre bem tratadas pelo macho, mas ele nunca as agarra. Ficam só na iminência da realização da vontade das pobres coitadas. 
Ser "mulher-varal" não é fácil. Você cria expectativas em cima da figura, mas nunca rola nada. Só se a oficial for mandada embora. E olhe lá! Ele quase te convida pra sair, quase te dá um cheiro no pescoço, quase desenvolve um papo, quase te olha por mais de 6 segundos, quase quase... 
Assim ele te deixa na vontade...
É a política da boa vizinhança: Garantia de não ficar sozinho nunca!

Reflexão barata:
Será que a mulher oficial pode ser considerada "virtualmente côrna", se o cara tiver outras tantas penduradas no varal??